Autoestima.

A autoestima é a forma geral de como a pessoa se avalia, se gosta e se tem boa aceitação de si mesma.

A base para se ter uma boa auto-estima é a disponibilidade da família, principalmente dos pais, em atender os filhos de forma que estes sejam valorizados, respeitados e incentivados a crescer.

Seu funcionamento é como uma mola que impulsiona o sujeito para o sucesso, podendo levá-lo ao fracasso quando não é desenvolvida de forma positiva.

Isso acontece em casos da criança não se sentir amada, nos quais esta recebe somente críticas, broncas, apanha e nunca encontra espaço para agir conforme sua vontade, ou seja, não é respeitada em sua liberdade de escolha.

A criança precisa perceber que é amada, que é importante para seus pais, e essa comunicação deve fazer parte de suas vidas, onde as relações de afeição apareçam, o que lhe proporcionará maior segurança para enfrentar a vida.

Alguns pais agem de forma que não conseguem mostrar o seu amor ou interesse pelos filhos, causando-lhes autoestima baixa. Estes passam a acreditar que não são bons, que são pessoas más e passam a atuar com atitudes que reforcem ainda mais essa imagem negativa.

Estar fisicamente juntos, mas mentalmente afastados, é uma atitude que demonstra desinteresse pelos filhos, deixando-os tristes ou se comportando a fim de chamar a atenção dos pais.

Fazer críticas não é errado, mas é uma forma de mostrar aos filhos que suas atitudes não estão corretas, por isso estas devem se relacionar às atitudes e não à pessoa. Nesses casos, é comum vermos pais xingando os filhos de preguiçosos, chatos, incapazes, o que também contribuirá negativamente com sua autoestima.

O melhor é que tenham cuidado em não manter as atenções somente para as deficiências dos filhos, em suas falhas, pois poderá causar a perda do amor. O essencial é manter o bom senso e dar-lhes a chance de acreditar em si mesmos.

Fonte: Brasil escola

Afetividade entre pais e filhos.

A afetividade entre pais e filhos é coisa que cresce ao longo do tempo, através do envolvimento que ambos vão tendo no cotidiano de suas vidas.

Com a vida moderna, a correria do nosso cotidiano, como o excesso de trabalho, faz com que as relações entre pais e filhos se estreitem cada vez mais. Mas isso não é problema quando há qualidade nos momentos em que estão juntos.

Algumas atitudes podem auxiliar na formação de um bom vínculo afetivo, nos mais simples e diversos fatos do dia-a-dia.

Todos os dias, ao chegar do trabalho, os pais devem buscar os filhos, tentando mostrar para eles que mesmo não estando presente o tempo todo, se preocupam com as coisas de suas vidas. É importante que conversem, trocando informações de como foi o dia de cada um, o que sentiram ao ficarem afastados, como transcorreram as coisas, etc.

Ouvir é uma atitude importante para quem quer demonstrar atenção, bem como conversar olhando nos olhos dos outros. É comum acharmos que conhecemos tudo dos filhos, das suas vidas, mas interrompê-los numa conversa é uma atitude que os deixa chateados. Por isso, nos dedicarmos a esses momentos é uma forma de comprovar atenção e carinho.

Demonstrar interesse por suas atividades escolares também é uma forma de aproximação. Os pais devem manter esse tipo de diálogo todos os dias para que os filhos sintam-se amparados, seguros de que alguém se preocupa com eles.

Com as modernidades do mundo high tech fica fácil participar da vida dos filhos, mesmo estando longe por alguns períodos. Uma ligação de surpresa, para saber se está tudo bem, os deixará muito feliz. Mensagens de celular também é uma maneira de manifestar preocupação e cuidado, porém, os excessos podem fazer com que os filhos sintam-se vigiados.

Valorizar as qualidades dos mesmos também ajuda muito nas relações afetivas. A criança ou jovem que recebe elogios tem sua auto-estima elevada, sentem-se mais capacitados e seguros para realizar suas atividades.

Compartilhar as atividades domésticas também é uma boa forma de manter os laços entre pais e filhos. Os pais poderão pedir que estes ajudem ou que fiquem por perto para irem conversando enquanto trabalham. Momentos na cozinha reforçam as relações entre todos os familiares. À mesa, poderão compartilhar ótimos momentos de prazer, com conversas muito agradáveis e produtivas.

O importante é que os pais consigam demonstrar o quanto amam os filhos, mesmo não estando perto deles por todo tempo e, nos finais de semana, aproveitar para compensar essa ausência (,) programando diversões em que possam ficar juntos.

Fonte: educador brasil escola

Quando um casal tem filhos que já estão na escola, sem querer voltam a ter contato com esse mundo. Mesmo estando muito tempo sem estudar, eles passam a vivenciar novamente os eventos provenientes do ambiente escolar, especialmente no início das aulas, período em que acompanham os filhos mais efetivamente. Com o intuito de dinamizar, organizar e facilitar o ingresso no ano letivo, a seguir algumas dicas para essa época de volta às aulas que poderão valer também para o decorrer do ano:

• Incentivar as crianças a acordar mais cedo alguns dias antes das aulas começarem, para que se adéquem à realidade que lhes espera. Isso porque crianças e adolescentes tendem a dormir até mais tarde em períodos de férias.

• Orientar o filho na organização preliminar dos objetos que serão usados no dia seguinte, tais como: canetas, livros, cadernos, agendas, além de todas as peças do uniforme escolar. Isso pode evitar contratempos, atrasos e inconvenientes, como ter que voltar em casa para buscar algo esquecido (trabalhos, objetos, lanche, entre outros).

• Motivar aqueles alunos que temem o retorno à escola, isso ocorre na maioria dos casos com crianças pequenas. O melhor é dizer que na escola têm brincadeiras, colegas, além disso, deixe que ele escolha os materiais no ato da compra, isso com intuito de envolvê-lo e incentivá-lo.

• Estipular um tempo para todas as atividades, como descanso, videogame, estudar, assistir televisão, praticar esportes e demais atividades. A implantação de horários promove a disciplina da criança, que mais tarde se tornará um adulto organizado e responsável.

• Ajudar nos trabalhos e atividades de casa, a participação dos pais é fundamental para a realização das mesmas, tendo em vista que os alunos adiam ao máximo, muitas vezes ficam sem fazer. Lembrando aos pais que devem orientá-los durante as atividades, no entanto, sem fazer para o filho.

 

Fonte: educador brasil escola

Os benefícios das aulas de música são vistos desde os primeiros anos escolares.

A música é reconhecida por muitos pesquisadores como uma espécie de modalidade que desenvolve a mente humana, promove o equilíbrio, proporcionando um estado agradável de bem-estar, facilitando a concentração e o desenvolvimento do raciocínio, em especial em questões reflexivas voltadas para o pensamento filosófico.

Segundo estudos realizados por pesquisadores alemães, pessoas que analisam tons musicais apresentam área do cérebro 25% maior em comparação aos indivíduos que não desenvolvem trabalho com música, bem como aos que estudaram as notas musicais e as divisões rítmicas, obtiveram notas 100% maiores que os demais colegas em relação a um determinado conteúdo de matemática.

Com base em pesquisas, as crianças que desenvolvem um trabalho com a música apresentam melhor desempenho na escola e na vida como um todo e geralmente apresentam notas mais elevadas quanto à aptidão escolar.

A valorização do contato da criança com a música já era existente há tempos, Platão dizia que “a música é um instrumento educacional mais potente do que qualquer outro”.

Hoje é perfeitamente compreensível essa visão apresentada por Platão, visto que a música treina o cérebro para formas relevantes de raciocínio.

Eis então uma reflexão para pais e principalmente educadores, buscando inserir a música no seu planejamento, bem como criar estratégias voltadas para essa área, incentivando a criança a estudar música, seja através do canto ou da prática com um instrumento musical, isso desde a educação infantil.

 

 

 

 

Fonte: educador brasil escola

Formar bons filhos e alunos é uma tarefa difícil, porém não é impossível. O que dificulta é a falta de preparo principalmente dos educadores em orientar os pais e conseqüentemente dos pais em orientar seus filhos.

Ou seja, é um efeito dominó no qual deve acontecer uma sincronia entre todos os elementos, pois qualquer deslize pode provocar a queda de todos, ocasionando o fracasso em relação ao que lhes é de responsabilidade.
A real preocupação é de como os pais devem proceder de forma que o filho realize as lições de casa de forma proveitosa.
Vocês enquanto pais ou responsáveis acreditam que orientam seus filhos de forma positiva contribuindo para o desenvolvimento ideal das lições de casa?
Será que na posição de educador já parou para refletir a respeito da existência de condutas adequadas que devem ser seguidas de forma que venham propiciar o sucesso do seu aluno?

Segundo pesquisas realizadas, boas novas chegam para pais e educadores. Baseado em um levantamento com adolescentes, a maioria dos jovens de hoje mostra interesse significativo em relação aos estudos e questiona a qualidade de ensino, fator relevante para pais e educadores que demonstram a nova determinação da atual geração de estudantes.

Ressalta-se que o bom desempenho de um aluno depende em primeiro lugar da motivação, mais do que da capacidade intelectual.

Levando em conta a importância de orientar o aluno para obter um bom desempenho nos estudos, tanto na sala de aula quanto no ambiente escolar, segue uma lista contendo dicas que podem auxiliar pais e educadores a contribuir para tal sucesso.

No ambiente familiar:

• Escolher um bom local de estudos, de preferência ventilado, claro, com luz natural, sem barulhos e distrações;

• Elaborar um plano de estudos semanal, organizando os conteúdos que serão estudados;

• Não deixar as lições de casa para o dia posterior, aproveitando que o conteúdo ainda está “fresco” na mente;

• Programar o horário de estudo para os momentos em que estiverem mais atentos e dispostos. Evitando que sejam realizados em momentos de sono e cansaço, fatos que podem prejudicar o desempenho.

• Fazer pesquisas buscando diferentes referências, como revistas, jornais, filmes entre outros, para realizar a atividade que foi proposta.

• Refazer os exercícios que errou ou apresentou dificuldades;

• Descobrir as melhores técnicas de memorização para estudar (esquemas, falar em voz alta, dramatizar, estudar em grupos, entre outros).

• Reconhecer as áreas que apresenta dificuldade, dedicando um tempo maior de estudo;

• Preparar o material escolar antecipadamente, verificando os livros e cadernos que irá utilizar.

• Envolver na vida escolar do filho. Perguntar a ele o que aprendeu e como isso pode ser importante na vida dele.

• Dê o exemplo. Leia livros, jornais, ouça música, veja filmes e espetáculos de qualidade.

• Mostrar para seu filho que ele é capaz de solucionar problemas, dando a ele a capacidade de buscar sua independência.

• Não pressionar nos estudos, fiscalização intensa não funciona. Ensine a ter responsabilidade, pois seu filho não o terá pelo resto da vida.

• Antes de recorrer a aulas de reforço escolar, veja se o jovem é capaz de superar a deficiência sozinho.

No ambiente escolar:

• Prestar atenção na aula, bem como participar e perguntar sem medo quando apresentar dúvidas;

• Aproximar de um professor, pesquisador ou profissional que domina a área pela qual tem interesse de seguir carreira.

• Fazer as avaliações com calma e atenção.

• Não deixar questões em branco nas avaliações, buscando registrar, mesmo que seja mínimo, o seu conhecimento.

Conscientizar sobre o quanto o estudo é necessário para todo indivíduo, que nunca uma pessoa deve desistir de estudar e incentivar aqueles que não estudam. Colocar o estudo como parte da rotina deles, fazendo-os entender que é uma necessidade do ser humano.

A família e a escola formam uma equipe. É fundamental que ambas sigam os mesmos princípios e critérios, bem como a mesma direção em relação aos objetivos que desejam atingir.

Ressalta-se que mesmo tendo objetivos em comum, cada uma deve fazer sua parte para que atinja o caminho do sucesso, que visa conduzir crianças e jovens a um futuro melhor.
O ideal é que família e escola tracem as mesmas metas de forma simultânea, propiciando ao aluno uma segurança na aprendizagem de forma que venha criar cidadãos críticos capazes de enfrentar a complexidade de situações que surgem na sociedade.

Existem diversas contribuições que tanto a família quanto a escola podem oferecer, propiciando o desenvolvimento pleno respectivamente dos seus filhos e dos seus alunos. Alguns critérios devem ser considerados como prioridade para ambas as partes. Como sugestões seguem abaixo alguns deles:

Família

• Selecionar a escola baseado em critérios que lhe garanta a confiança da forma como a escola procede diante de situações importantes;

• Dialogar com o filho o conteúdo que está vivenciando na escola;

• Cumprir as regras estabelecidas pela escola de forma consciente e espontânea;

• Deixar o filho a resolver por si só determinados problemas que venham a surgir no ambiente escolar, em especial na questão de socialização;

• Valorizar o contato com a escola, principalmente nas reuniões e entrega de resultados, podendo se informar das dificuldades apresentadas pelo seu filho, bem como seu desempenho.

Escola

• Cumprir a proposta pedagógica apresentada para os pais, sendo coerente nos procedimentos e atitudes do dia-a-dia;

• Propiciar ao aluno liberdade para manifestar-se na comunidade escolar, de forma que seja considerado como elemento principal do processo educativo;

• Receber os pais com prazer, marcando reuniões periódicas, esclarecendo o desempenho do aluno e principalmente exercendo o papel de orientadora mediante as possíveis situações que possam vir a necessitar de ajuda;

• Abrir as portas da escola para os pais, fazendo com que eles se sintam à vontade para participar de atividades culturais, esportivas, entre outras que a escola oferecer, aproximando o contato entre família-escola;

• É de extrema importância que a escola mantenha professores e recursos atualizados, propiciando uma boa administração de forma que ofereça um ensino de qualidade para seus alunos.

A parceria da família com a escola sempre será fundamental para o sucesso da educação de todo indivíduo. Portanto, pais e educadores necessitam ser grandes e fiéis companheiros nessa nobre caminhada da formação educacional do ser humano.

 

Fonte: educador brasil escola

Ensinando escovar os dentes.

Fazer a higiene da boca do bebê é muito importante, pois através desse procedimento é que criará o hábito de manter a boca limpa para o resto de sua vida.

Quando ainda bebês os pais podem limpar as gengivas e em volta das bochechas com uma gaze enrolada nos dedos. Esses movimentos devem ser feitos de forma circular e bem suave, para não machucar a boca do pequeno.

Assim que aparecerem os primeiros dentinhos, a criança poderá fazer o uso de uma escova de dente, bem pequena e com as cerdas macias. Não terá dificuldades se tiver sido acostumada a esse tipo de higienização.

Os pais precisam participar desse momento, incentivando a criança, dando atenção necessária. O correto é deixá-la manusear a escova, experimentar a sensação de colocá-la na boca, mas depois da divertida brincadeira, devem pegar a escova e fazer a limpeza correta dos dentinhos de seu filho.

Conversar com os pequenos sobre a importância de se limpar os dentes é uma boa forma de explicar que existem bichinhos que comem o restinho da comida e alguns pedacinhos dos dentes também.

O exemplo dos pais serve ainda como um estímulo para que as crianças criem o hábito de escovar os dentes. Elas gostam de imitar as atitudes dos adultos e se comparam muito aos mesmos, imitando seus gestos, gostos e atitudes. Brincar com a criança, deixando-a escovar os dentes dos pais, também é uma forma atrativa de chamar-lhe atenção para a importância desse hábito.

Outro fator que deve ser considerado é de que as pastas de dente, bem como as escovas, devem ser adequadas para a faixa etária. Usar pastas de adulto pode afastar a criança da escovação, pois estas tem sabor mentolado, fortes, ardem a boca, além de conter uma grande quantidade de produtos que não são adequados para os pequenos. O certo é usar cremes dentais infantis e escovinhas, pois estes possuem atrativos para chamar a atenção dos infantes.

O importante é usar do bom senso e mostrar a importância desse ato para seus filhos o quanto antes.

Fonte: educador brasil escola

A idade da vergonha.

À medida que crescem, as crianças vão mudando suas atitudes, ficam mais reservadas diante dos pais ou daqueles que estão ligados ao seu cotidiano.

É normal que isso aconteça por volta dos oito, dez anos de idade, na pré-adolescência, onde sofrem as primeiras alterações físicas, que costuma assustá-los. Aparecem os primeiros pêlos pelo corpo, mas em pequenas quantidades, nas meninas inicia-se um pequeno crescimento dos mamilos e nos meninos um pequeno aumento do tamanho do pênis.

Além dessas mudanças, que fazem com que escondam o corpo, também querem mostrar autonomia, independência e por isso vão se desligando dos cuidados que antes precisavam.

A vergonha também pode aparecer diante dos parentes e amigos da família, fazendo com que o jovenzinho fique sem graça até mesmo para cumprimentá-los.

Os pais não devem ver isso como se a criança estivesse se afastando deles, é preciso manter a mesma amizade de antes, com carinho e respeito à nova fase da vida dos pequenos. O diálogo deve estar presente na vida de ambos, a fim de esclarecer as dúvidas e passar maior confiança quanto a essas alterações físicas e emocionais, de que as mesmas são normais e que acontecem com todas as pessoas.

Nessa fase do desenvolvimento as crianças não estão voltadas para o sexo, este não é tido como o mais interessante para elas, pelo contrário, o aspecto intelectual, do conhecimento propriamente dito ganha uma dimensão mais elevada para o centro de atenção deles.

A vergonha também passa pelo eixo da própria criança e, portanto, ironias e brincadeiras de mau gosto podem ferir a mesma, tornando-a ainda mais tímida. Aos poucos e com a ajuda da família as crianças superam suas dificuldades e aprendem a conviver com as mudanças.

Fonte: educador brasil escola

A formação da identidade da criança é um processo permeado por perguntas como: “Quem sou eu?”; “Como sou?”. As respostas a essas perguntas são essenciais para a construção da personalidade. Logo cedo, o bebê começa a se perceber como sujeito e obter consciência corporal para se desenvolver e se organizar no espaço, já que ao nascer, o mesmo totalmente ligado à mãe e não compreende os limites que os separam.

Durante o primeiro ano de vida, aproximadamente por volta dos seis aos oito meses, a criança percebe que é um ser separado da mãe, iniciando o processo de construção da própria identidade.

O bebê explora o mundo a sua volta, vivencia sensações, percepções, e por volta dos sete meses, fica fascinado com a experiência de ver sua imagem refletida no espelho. Todas essas vivências dão início à autodescoberta, uma exploração que permite à criança descobrir como seu comportamento repercute no ambiente, fator essencial para que ela se perceba como alguém diferente do outro.

Com o objetivo de desenvolver a identidade, sugere-se a seguinte atividade para crianças da educação infantil, entre dois e três anos:

• Material utilizado: Dois espelhos grandes (prefira fixá-los na parede).
• Tempo previsto: 15 a 20 minutos.
• Atividade: Estimule a criança a olhar atentamente a própria imagem. Solicite que ela toque diferentes partes do corpo. Sugira brincadeiras como balançar os cabelos, levantar os ombros e cruzar os braços. Encoraje-a a imitar os gestos das outras crianças.
• Desenvolvimento: A atividade deve ser realizada em frente ao espelho, com o intuito de estimular a observação.

 

 

 

Fonte: educador brasil escola

Dicas para seu filho comer bem.

À medida que os filhos crescem, torna-se mais difícil convencê-los a comer determinados alimentos, pois vão ficando mais seletivos e exigentes.

Porém, não se pode deixar a alimentação somente sob as vontades dos pequenos, uma vez que o organismo necessita de repor proteínas, vitaminas, sais minerais, dentre outros, e isso acontece com uma alimentação balanceada e rica em nutrientes.

Desde pequenas as crianças necessitam de horários, regras que ajudam seu desenvolvimento. Essas normas devem seguir a rotina da casa, com horário para acordar, tomar café-da-manhã, almoçar, tomar banho e jantar.

A princípio, quando muito pequena, algumas adaptações da família são necessárias. Por exemplo: se a criança acorda às sete da manhã e toma uma mamadeira de leite, não ficará satisfeita até o horário do almoço, como os adultos. Dessa forma, deverá fazer um lanche, intermediário, por volta das dez da manhã, e esperar o horário do almoço, por volta de meio dia. Na verdade, todas essas orientações são dadas pelo médico pediatra da criança, e os pais devem seguir à risca.

 

É comum ver crianças brincando ou correndo no horário das refeições, e um adulto com o prato na mão andando atrás dela, dando-lhe a comida. Isso é errado. A criança deve aprender regras sociais e segui-las, como se sentar à mesa na hora de comer.

Quando a família se sentar para o almoço, deve colocar a criança na cadeirinha dela, ao lado de todos, e fazer um pratinho com coisas mais sólidas, como pedacinhos de carne, por exemplo, para que ela própria coloque na boca, mesmo que com as mãos. Se a criança for maior e já conseguir comer sozinha, coloque seu prato e ajude-a quando necessário.

É importante mostrar para o filho que os pais comem as mesmas coisas que ele. Não adianta colocar legumes e verduras no prato da criança se os adultos não dão o bom exemplo. Alguns pais exigem que seus filhos comam bem, mas fazem suas refeições em “fast foods”. Lógico que o filho vai preferir um sanduíche ao invés de um prato de arroz com brócolis.

As guloseimas podem fazer parte da alimentação das crianças, mas desde que sejam oferecidas logo após as principais refeições e não tornando um hábito em suas vidas. Não terá problemas se comê-las nestes horários, pois já está bem nutrida e escovará os dentes em seguida.

Fazer uma horta é uma boa maneira de incentivar a criança a consumir os alimentos verdes, normalmente os menos aceitos. O pequeno sentirá prazer em cuidar das verduras e vegetais, além de ficar muito feliz em poder mexer com a terra, regar as plantas e depois colhê-las para a alimentação da família.

Fonte: Brasil escola