Você consegue citar, num piscar de olhos, um professor ou uma experiência que tenha marcado profundamente a sua experiência na escola? Se não consegue, não se preocupe: você faz parte de um enorme grupo de pessoas que passou por uma escola em que professor, aluno e conteúdo não conseguem se conectar.

O problema é que a educação nesse modelo simplesmente não funciona: vira um processo burocrático, árduo e complicado. Quem trata disso é a educadora finlandesa e consultora em educação Anu Passi-Rauste, especialista que conheci durante a pesquisa que estou fazendo nos EUA. De acordo com ela, a educação de qualidade é aquela que toca os alunos profundamente. Ou seja: o aluno estuda porque está motivado, emocionalmente engajado, vê lógica e utilidade naquilo que está aprendendo.

Lá na Finlândia, país com indicadores de educação invejáveis, os professores conseguem criar esse ambiente em sala de aula porque têm autonomia. Eles podem, por exemplo, decidir se vão ensinar matemática usando a lousa ou peças de lego, dependendo do perfil da turma que estão ensinando. Isso é possível porque as escolas têm recursos e os professores são altamente qualificados. Para dar aula em uma escola finlandesa é preciso ter graduação, mestrado e estágio docente. O professor ganha bem e é valorizado na sociedade. Todo mundo quer ser professor!

Em cenários adversos, como no Brasil, esse processo criativo e acolhedor em sala de aula também é possível. Já tratei disso quando contei a história da Jonilda Ferreira, professora de matemática de uma escola pública do sertão de Pernambuco que faz vaquinha e leva os alunos na pizzaria para ensinar fração. “Se não for assim, desenho fração na lousa e ninguém entende nada”, diz. Resultado? A cidade é campeã nacional em medalhas nas olimpíadas de matemática promovidas pelo Impa.

LIGAÇÃO AFETIVA

Quando conversei com os alunos da professora do Nordeste, eles demonstraram uma enorme ligação sentimental com a professora. E vice-versa. Jonilda atua como uma mentora dos seus aluninhos –o que, de acordo com a especialista finlandesa, é fundamental no processo de aprendizado. “Muita gente cita o nome de um professor específico quando pergunto sobre experiências marcantes na vida escolar”, conta.

Jonilda, claro, é exceção no Brasil. Ganha R$ 1,5 mil ao mês e conta que mal consegue pagar suas contas. Faz todo esse sacrifício por amor à educação.

A pergunta que fica: como construir um cenário educacional em grande escala de modo que todos os docentes tenham o perfil da Jonilda –com formação, estrutura e salários finlandeses?  A própria Passi-Rauste está tentando encontrar uma resposta.

A educação “personalizada” funciona na Finlândia porque lá há muito dinheiro e pouca gente (a população da Finlândia equivale à metade da cidade de São Paulo). Mas como criar escolas acolhedoras, com docentes autônomos e engajados, junto com alunos e com gestores, em um contexto em que é preciso educar mais de 50 milhões de estudantes, como é o caso do Brasil?

 

 

 

 

Fonte: abecedario

Descobrindo as palavras.

A partir de um ano de idade as crianças iniciam seus primeiros diálogos, feitos com poucas palavras. Isso acontece em razão da ligação afetiva estabelecida pelos pais com as mesmas, quando num simples gesto reproduzem os sons dos brinquedos, imitam animais, cantam canções de ninar que servem de estímulos para o desenvolvimento da linguagem oral.

Quanto mais estímulos externos a criança receber, maior será a sua facilidade para se comunicar, mas desde que esses venham de um contato direto e interessante para as mesmas.

Muitas crianças que tem contato desde muito cedo com a televisão, mas que não são estimuladas a falar, a cantar e a reproduzir outros sons, demoram a se comunicar, já que a televisão não serve de estímulo por falta de afetividade na comunicação. Somente os programas que encantam as crianças podem auxiliar na aprendizagem da comunicação, pois possuem estímulos visuais bem como auditivos para isso. Mas é bom lembrar que cansam e logo a criança perde o interesse, buscando outras brincadeiras.

Existem crianças que não desenvolvem bem a fala, pois são estimuladas a fazê-la de forma incorreta, percebem que chamam a atenção e todos acham bonitinho, ou mesmo com pais que identificam os códigos de comunicação que vão estabelecendo. Apontar para um filtro significa que quer água, gemer e apontar para a televisão quer dizer que está pedindo para ligá-la, quando vai deixando de se comunicar verbalmente. O interessante seria que os adultos a ajudassem a falar, incentivando-as através das perguntas, como se não entendessem os códigos apontados.

 Nessa idade é de fundamental importância que a criança receba estímulos de todos que a cercam, pois tudo o que ouve a levará a construir sua forma de comunicação. Se ouvir pessoas falando errado, construirá uma forma de falar também errada, se ouvir de forma correta, seguirá o mesmo exemplo.

Os pais devem ficar atentos com as pessoas que tem contato direto com as crianças, que conversam com elas no cotidiano, a fim de não permitir que erros se tornem comuns no vocabulário das mesmas. Porém, não devem fazer correções em excesso, pois podem inibir a criança, passando a achar que está errada o tempo todo e que não está agradando. Tudo em excesso é prejudicial, inclusive a correção das palavras.

As correções devem aparecer de forma a não ferir a auto-estima da criança. Quando esta disser uma palavra errada, apenas a repita de forma correta, dando a oportunidade para a criança perceber a diferença. Não há a necessidade de ficar mandando a criança repetir a palavra até que esta saia de forma correta, pois esse hábito é chato e cansativo.

Aos poucos, com o exercício da linguagem, as crianças vão enriquecendo seu vocabulário através dos pequenos diálogos, passando a se comunicar melhor.

Outro grande estímulo para o desenvolvimento da fala é quando a criança passa a freqüentar a escola.

Na sala de aula, as crianças são estimuladas através da narração de histórias, das rodas de conversa, das músicas cantadas, parlendas e trava línguas, nas tentativas de contar pequenos fatos do cotidiano, dando coerência aos mesmos, etc.

Na hora das brincadeiras também exercitam o vocabulário, pois costumam narrar o que estão fazendo e combinar as etapas seguintes das brincadeiras com seus colegas, além de compartilhar momentos de intensa sociabilização. Assim, vão internalizando essas aprendizagens e conseguindo repeti-las, recurso que usará por toda a vida.

Fonte: Brasil Escola

Afetividade entre pais e filhos.

A afetividade entre pais e filhos é coisa que cresce ao longo do tempo, através do envolvimento que ambos vão tendo no cotidiano de suas vidas.

Com a vida moderna, a correria do nosso cotidiano, como o excesso de trabalho, faz com que as relações entre pais e filhos se estreitem cada vez mais. Mas isso não é problema quando há qualidade nos momentos em que estão juntos.

Algumas atitudes podem auxiliar na formação de um bom vínculo afetivo, nos mais simples e diversos fatos do dia-a-dia.

Todos os dias, ao chegar do trabalho, os pais devem buscar os filhos, tentando mostrar para eles que mesmo não estando presente o tempo todo, se preocupam com as coisas de suas vidas. É importante que conversem, trocando informações de como foi o dia de cada um, o que sentiram ao ficarem afastados, como transcorreram as coisas, etc.

Ouvir é uma atitude importante para quem quer demonstrar atenção, bem como conversar olhando nos olhos dos outros. É comum acharmos que conhecemos tudo dos filhos, das suas vidas, mas interrompê-los numa conversa é uma atitude que os deixa chateados. Por isso, nos dedicarmos a esses momentos é uma forma de comprovar atenção e carinho.

Demonstrar interesse por suas atividades escolares também é uma forma de aproximação. Os pais devem manter esse tipo de diálogo todos os dias para que os filhos sintam-se amparados, seguros de que alguém se preocupa com eles.

Com as modernidades do mundo high tech fica fácil participar da vida dos filhos, mesmo estando longe por alguns períodos. Uma ligação de surpresa, para saber se está tudo bem, os deixará muito feliz. Mensagens de celular também é uma maneira de manifestar preocupação e cuidado, porém, os excessos podem fazer com que os filhos sintam-se vigiados.

Valorizar as qualidades dos mesmos também ajuda muito nas relações afetivas. A criança ou jovem que recebe elogios tem sua auto-estima elevada, sentem-se mais capacitados e seguros para realizar suas atividades.

Compartilhar as atividades domésticas também é uma boa forma de manter os laços entre pais e filhos. Os pais poderão pedir que estes ajudem ou que fiquem por perto para irem conversando enquanto trabalham. Momentos na cozinha reforçam as relações entre todos os familiares. À mesa, poderão compartilhar ótimos momentos de prazer, com conversas muito agradáveis e produtivas.

O importante é que os pais consigam demonstrar o quanto amam os filhos, mesmo não estando perto deles por todo tempo e, nos finais de semana, aproveitar para compensar essa ausência (,) programando diversões em que possam ficar juntos.

Fonte: educador brasil escola

A idade da vergonha.

À medida que crescem, as crianças vão mudando suas atitudes, ficam mais reservadas diante dos pais ou daqueles que estão ligados ao seu cotidiano.

É normal que isso aconteça por volta dos oito, dez anos de idade, na pré-adolescência, onde sofrem as primeiras alterações físicas, que costuma assustá-los. Aparecem os primeiros pêlos pelo corpo, mas em pequenas quantidades, nas meninas inicia-se um pequeno crescimento dos mamilos e nos meninos um pequeno aumento do tamanho do pênis.

Além dessas mudanças, que fazem com que escondam o corpo, também querem mostrar autonomia, independência e por isso vão se desligando dos cuidados que antes precisavam.

A vergonha também pode aparecer diante dos parentes e amigos da família, fazendo com que o jovenzinho fique sem graça até mesmo para cumprimentá-los.

Os pais não devem ver isso como se a criança estivesse se afastando deles, é preciso manter a mesma amizade de antes, com carinho e respeito à nova fase da vida dos pequenos. O diálogo deve estar presente na vida de ambos, a fim de esclarecer as dúvidas e passar maior confiança quanto a essas alterações físicas e emocionais, de que as mesmas são normais e que acontecem com todas as pessoas.

Nessa fase do desenvolvimento as crianças não estão voltadas para o sexo, este não é tido como o mais interessante para elas, pelo contrário, o aspecto intelectual, do conhecimento propriamente dito ganha uma dimensão mais elevada para o centro de atenção deles.

A vergonha também passa pelo eixo da própria criança e, portanto, ironias e brincadeiras de mau gosto podem ferir a mesma, tornando-a ainda mais tímida. Aos poucos e com a ajuda da família as crianças superam suas dificuldades e aprendem a conviver com as mudanças.

Fonte: educador brasil escola

Dicas para seu filho comer bem.

À medida que os filhos crescem, torna-se mais difícil convencê-los a comer determinados alimentos, pois vão ficando mais seletivos e exigentes.

Porém, não se pode deixar a alimentação somente sob as vontades dos pequenos, uma vez que o organismo necessita de repor proteínas, vitaminas, sais minerais, dentre outros, e isso acontece com uma alimentação balanceada e rica em nutrientes.

Desde pequenas as crianças necessitam de horários, regras que ajudam seu desenvolvimento. Essas normas devem seguir a rotina da casa, com horário para acordar, tomar café-da-manhã, almoçar, tomar banho e jantar.

A princípio, quando muito pequena, algumas adaptações da família são necessárias. Por exemplo: se a criança acorda às sete da manhã e toma uma mamadeira de leite, não ficará satisfeita até o horário do almoço, como os adultos. Dessa forma, deverá fazer um lanche, intermediário, por volta das dez da manhã, e esperar o horário do almoço, por volta de meio dia. Na verdade, todas essas orientações são dadas pelo médico pediatra da criança, e os pais devem seguir à risca.

 

É comum ver crianças brincando ou correndo no horário das refeições, e um adulto com o prato na mão andando atrás dela, dando-lhe a comida. Isso é errado. A criança deve aprender regras sociais e segui-las, como se sentar à mesa na hora de comer.

Quando a família se sentar para o almoço, deve colocar a criança na cadeirinha dela, ao lado de todos, e fazer um pratinho com coisas mais sólidas, como pedacinhos de carne, por exemplo, para que ela própria coloque na boca, mesmo que com as mãos. Se a criança for maior e já conseguir comer sozinha, coloque seu prato e ajude-a quando necessário.

É importante mostrar para o filho que os pais comem as mesmas coisas que ele. Não adianta colocar legumes e verduras no prato da criança se os adultos não dão o bom exemplo. Alguns pais exigem que seus filhos comam bem, mas fazem suas refeições em “fast foods”. Lógico que o filho vai preferir um sanduíche ao invés de um prato de arroz com brócolis.

As guloseimas podem fazer parte da alimentação das crianças, mas desde que sejam oferecidas logo após as principais refeições e não tornando um hábito em suas vidas. Não terá problemas se comê-las nestes horários, pois já está bem nutrida e escovará os dentes em seguida.

Fazer uma horta é uma boa maneira de incentivar a criança a consumir os alimentos verdes, normalmente os menos aceitos. O pequeno sentirá prazer em cuidar das verduras e vegetais, além de ficar muito feliz em poder mexer com a terra, regar as plantas e depois colhê-las para a alimentação da família.

Fonte: Brasil escola

Presenciar uma criança organizando seus brinquedos, servindo um prato de comida, enchendo um copo d’água, trocando de roupa, tomando banho, dentre várias outras coisas, é muito interessante. Podemos notar o quanto se envolve, buscando várias tentativas para conseguir o que deseja.

Existem pais que superprotegem tanto os filhos que eles não conseguem adquirir espaço para crescer e tornar-se independentes, muitas vezes até manifestam a vontade de fazer por si só, mas onde os adultos não permitem.

As facilidades proporcionadas por uma babá que os acompanha o dia todo, fazendo todas as suas vontades, pode atrapalhar o seu desenvolvimento, fazendo com que acostumem à situação cômoda de receber tudo nas mãos ou sempre ter alguém para trocar suas roupas, lhes dar banho, pentear seus cabelos, tornando-as preguiçosas e desinteressadas para essas tarefas.

É claro que uma criança deve receber afeto, carinho e cuidados, fundamentais para crescerem com bons tratos, mas em excesso podem prejudicar a sua formação enquanto pessoa.

Além disso, vemos pais criticando os filhos por não fazerem as coisas direito, no mesmo nível de perfeição dos adultos, deixando-os inibidos e sem coragem para tentar e arriscar.

O interessante é que as crianças, quando forem realizar alguma atividade que exija maiores cuidados, estejam acompanhadas de um adulto, que vá as orientando passo a passo, até que consigam fazer sozinhas.

Devido às modernidades do cotidiano, é bom lembrar que as crianças sempre são convidadas para passear na casa de amigos, irem a festinhas de aniversários, ao cinema, onde irão precisar de determinada independência. Quando não a possuem, podem manifestar insegurança para saírem sozinhas de casa.

Os filhos caminham para onde os pais lhes permitem ir. Se não lhes ensinam a escovar os dentes, não saberão fazer na casa de um amiguinho; se não lhes permitem comer sozinho, não vão conseguir comer sem derramar os alimentos; se não ensinam a atravessar a rua, poderão sofrer acidentes com maior facilidade, estando sempre na dependência de outras pessoas.

É bom incentivar os pequenos a se virarem sozinhos, para que criem condições de se tornarem independentes, além de irem adquirindo novas destrezas e aprendizagens para a vida.

Fonte: Brasil escola

Como estimular a leitura.

A educação e sua qualidade estão ligadas diretamente à leitura, alunos e pessoas em geral que têm o hábito de ler são mais instruídas e informadas em relação a diversos temas.

Além disso, escreve bem quem lê bastante, no Brasil as pessoas são desprovidas de oportunidades e informação acerca da importância da leitura, acima de tudo, isso é uma questão cultural.

Diante da realidade negativa quanto à incidência de leitura pelas pessoas, cabem aos pais e professores orientar e buscar maneiras que incentivem a sua prática. A seguir algumas sugestões que podem motivar ou estimular a leitura.

– Criação de um espaço específico para leitura na escola, especialmente direcionado para alunos do ensino infantil e fundamental.

– Implantação de uma biblioteca construída com a participação dos alunos e acompanhamento do mediador, no caso, o professor. O trabalho de montagem da biblioteca pode ficar por conta dos alunos em todas as etapas, como catalogar o acervo e organização dos mesmos. Os textos que vão compor a biblioteca devem ser ecléticos, ou seja, devem abordar diferentes temas e assuntos, além de diversificar quanto ao estilo (jornalístico, crônicas, científicos, bulas, publicitários, parlendas, adivinhas, cantigas, oriundos de livros, revistas, jornais, periódicos, gibis entre outros). É importante que o acervo permaneça acessível às crianças.

– Abrir espaços para que os alunos apresentem as idéias acerca do conteúdo das obras lidas, essas podem ser expressas oralmente e também através de figuras, desenhos, pinturas, esculturas e muitas outras.

– Implantação de projetos sobre leitura, elegendo alunos escritores, receber nas dependências da escola o autor de um livro do qual os educandos já leram uma obra.

– Confeccionar um mural onde se coloca notícias em forma de jornal, as informações devem ser oriundas do ambiente escolar.

– Conscientizar os alunos de que a leitura deve ser algo diário e indispensável, assim como beber água, praticar esportes, academia entre outras atividades cotidianas.

– Criar na escola o “clube da leitura”.

– Em casa os pais devem realizar leitura junto com os filhos para que esses vejam a prática como algo que faz parte de sua rotina, e assim tome gosto pela mesma.

 

 

 

 

Fonte:  educador brasil escola

Formar bons filhos e alunos é uma tarefa difícil, porém não é impossível. O que dificulta é a falta de preparo principalmente dos educadores em orientar os pais e conseqüentemente dos pais em orientar seus filhos.

Ou seja, é um efeito dominó no qual deve acontecer uma sincronia entre todos os elementos, pois qualquer deslize pode provocar a queda de todos, ocasionando o fracasso em relação ao que lhes é de responsabilidade.
A real preocupação é de como os pais devem proceder de forma que o filho realize as lições de casa de forma proveitosa.

Vocês enquanto pais ou responsáveis acreditam que orientam seus filhos de forma positiva contribuindo para o desenvolvimento ideal das lições de casa?
Será que na posição de educador já parou para refletir a respeito da existência de condutas adequadas que devem ser seguidas de forma que venham propiciar o sucesso do seu aluno?

Segundo pesquisas realizadas, boas novas chegam para pais e educadores. Baseado em um levantamento com adolescentes, a maioria dos jovens de hoje mostra interesse significativo em relação aos estudos e questiona a qualidade de ensino, fator relevante para pais e educadores que demonstram a nova determinação da atual geração de estudantes.

Ressalta-se que o bom desempenho de um aluno depende em primeiro lugar da motivação, mais do que da capacidade intelectual.

Levando em conta a importância de orientar o aluno para obter um bom desempenho nos estudos, tanto na sala de aula quanto no ambiente escolar, segue uma lista contendo dicas que podem auxiliar pais e educadores a contribuir para tal sucesso.

No ambiente familiar:

• Escolher um bom local de estudos, de preferência ventilado, claro, com luz natural, sem barulhos e distrações;

• Elaborar um plano de estudos semanal, organizando os conteúdos que serão estudados;

• Não deixar as lições de casa para o dia posterior, aproveitando que o conteúdo ainda está “fresco” na mente;

• Programar o horário de estudo para os momentos em que estiverem mais atentos e dispostos. Evitando que sejam realizados em momentos de sono e cansaço, fatos que podem prejudicar o desempenho.

• Fazer pesquisas buscando diferentes referências, como revistas, jornais, filmes entre outros, para realizar a atividade que foi proposta.

• Refazer os exercícios que errou ou apresentou dificuldades;

• Descobrir as melhores técnicas de memorização para estudar (esquemas, falar em voz alta, dramatizar, estudar em grupos, entre outros).

• Reconhecer as áreas que apresenta dificuldade, dedicando um tempo maior de estudo;

• Preparar o material escolar antecipadamente, verificando os livros e cadernos que irá utilizar.

• Envolver na vida escolar do filho. Perguntar a ele o que aprendeu e como isso pode ser importante na vida dele.

• Dê o exemplo. Leia livros, jornais, ouça música, veja filmes e espetáculos de qualidade.

• Mostrar para seu filho que ele é capaz de solucionar problemas, dando a ele a capacidade de buscar sua independência.

• Não pressionar nos estudos, fiscalização intensa não funciona. Ensine a ter responsabilidade, pois seu filho não o terá pelo resto da vida.

• Antes de recorrer a aulas de reforço escolar, veja se o jovem é capaz de superar a deficiência sozinho.

No ambiente escolar:

• Prestar atenção na aula, bem como participar e perguntar sem medo quando apresentar dúvidas;

• Aproximar de um professor, pesquisador ou profissional que domina a área pela qual tem interesse de seguir carreira.

• Fazer as avaliações com calma e atenção.

• Não deixar questões em branco nas avaliações, buscando registrar, mesmo que seja mínimo, o seu conhecimento.

 

 

Fonte: educador brasil escola

É um fato observado por educadores: ter uma perspectiva de futuro é a forma mais eficaz do jovem compreender que vale a pena investir nos estudos no momento presente. Por isso, a importância dos pais contribuírem para despertar em seus filhos esta visão. É a famosa construção de um projeto de vida, no qual ele vislumbra qual atuação profissional lhe atrai e que estilo de vida ele pretende adotar. Vale ressaltar, no entanto, que sonhar em ter uma profissão que lhe permita ter uma casa na praia, viajar para o exterior ou viver confortavelmente, como muitos jovens fazem, é só o começo de tudo. Desenhar um projeto de vida é estabelecerobjetivos a curto, médio e longo prazo, como querer se formar numa faculdade, adquirir um bem, casar. Metas que simplesmente terminam quando alcançadas e que podem até trazer frustrações, por parecem sem sentido depois de conquistadas. Já ter um projeto vital é algo maior, que talvez se passe a vida inteira buscando realizá-lo: por exemplo, quero constituir uma família e ser um bom exemplo para os filhos, ter um lar equilibrado; quero colocar minha atuação a serviço da sociedade e trabalhar para fazer com o que o mundo se torne um pouco melhor etc.

O melhor, então, é ampliar as perspectivas dos filhos, ajudando-os a enxergar além dos benefícios diretos de se construir uma carreira e trabalhando valores maiores, como transformação social, inclusão, solidariedade. Os especialistas admitem que esta é uma tarefa complexa. Estamos diante de uma sociedade de valores invertidos, muito voltada para o consumo e não para um posicionamento ético. São conceitos passados em novelas, propagandas, pela mídia. Por isso mesmo nos tempos atuais os jovens precisam ainda mais desta ajuda dos pais na construção de sua perspectiva futura. É algo difícil porque a vida moderna foi reduzindo os momentos de convivência entre pais e filhos, os adultos chegando ao final do dia de trabalho sem ânimo para conversar. A escola, que também tem um papel fundamental neste processo, se tornou conteudista e pouco ajuda. Os pais precisam vencer o cansaço se envolverem com seus filhos e também cobrar que a escola cumpra seu papel, ajudando neste processo.

Veja como ajudar seu filho a construir uma visão positiva do futuro, com as dicas dos dois especialistas entrevistados. Todas as recomendações têm algo em comum: para serem viáveis, precisam de muitos momentos dedicados à conversa.

 

1- Ajudar no planejamento:

Seu filho externou o desejo de conhecer o mundo? Então que tal descobrirem juntos as opções de carreira que podem levar a isso (como diplomata, relações internacionais); listarem quais as habilidades estas carreiras exigem e como é possível desenvolvê-las? Se a filha sonha em ter uma doceria, vale conversar sobre a importância de se entender mais sobre o que envolve a administração de um empreendimento. Mantendo o tom motivador, os pais devem ajudar seus filhos a pensarem nas ações necessárias para se concretizar o que se deseja, como se é preciso aprender um idioma, por exemplo. Vale, também, identificarem obstáculos que precisam ser superados ressaltando que eles compensarão; às vezes, o jovem não é afeito à informática por exemplo, mas a análise mostra que ter este conhecimento é importante; ele chegará a conclusão de que vale o esforço.

 

2- Não desmotivar:

Os pais não devem se tornar agentes de desmotivação e “matar” o sonho do filho, mesmo que ele apresente uma visão fantasiosa de seu futuro ou que pareça inalcançável. Ao contrário, a mensagem deve ser sempre para impulsioná-lo. Meu pai sempre me dizia: ‘filho, se você quiser, vai conseguir realizar. Pode ser que tenha que se dedicar um pouco mais, estudar um pouco mais, mas vai conseguir’. É esta a função dos pais: ajudar os filhos a cultivarem seus sonhos e também dar ‘uma regadinha’ de vez em quando para ajudar, perguntando de quando em quando se o filho evoluiu na ideia que tinha, como está pensando em realizar etc.

 

3- Estimular a busca pelo vital:

Seja qual for o desenho do projeto de vida de seu filho, os pais devem estimular, em suas conversas sobre como desenvolvê-lo, a busca do conceito de “projeto vital”. É levar à reflexão sobre o que mais aquele projeto de vida trará, além de uma carreira profissional ou estabilidade financeira. É importante conversar sobre qual a função social daquela atuação e como desempenhá-la será recompensador do ponto de vista da realização pessoal.

 

4- Deixar seu filha aberto para possíveis mudanças de rumo:

É importante o jovem entender que ele provavelmente irá reorganizar o projeto de vida várias vezes, ajustando-o às oportunidades e adversidades que encontrará.

 

5- Ressaltar que todos têm um papel importante na sociedade:

Esta é uma tarefa para envolver família e amigos. É importante criar oportunidades para que avós, tios e demais pessoas próximas à família comentem sobre como o que fazem contribui para a sociedade. O jovem precisa entender que não existe profissão ou atuação melhor que outra. Todas têm sua função social. O gari, por exemplo, é fundamental para termos uma cidade limpa e organizada, com o recolhimento de lixo.

 

6- Mostrar que ainda há muito o que fazer pelo mundo:

A geração atual nasceu em uma época de democracia, liberdade sexual, mulheres no mercado de trabalho, estabilidade econômica e tantas outras conquistas pelas quais gerações anteriores lutaram. Isso pode gerar uma falsa sensação de que já não há pelo que se mobilizar. Os pais devem mostrar que há inúmeras mudanças que precisam ainda ocorrer; ressaltando as enormes desigualdades sociais, os conflitos armados, o esgotamento dos recursos naturais e a intolerância de pensamento que existem no mundo.

 

7- Ampliar a visão de mundo e de realidade do seu filho:

Ter conhecimento de realidades de vida diferentes da sua pode ajudar o filho a se identificar com alguma “causa”, motivando-o ainda mais a seguir com seu projeto de vida ou a encontrar um. A família pode fazer isso se envolvendo em ações sociais como se voluntariando para visitas a crianças hospitalizadas, por exemplo. Entender que existem crianças que precisam de um transplante de coração, por exemplo, pode motivá-lo a pensar em campanhas de doação de órgãos, querer estudar para aprimorar o funcionamento de um coração artificial ou ainda pensar em formas de alegrar o tempo que os pequenos passam no hospital.

 

8- Lembrar que é possível começar já:

Vale destacar que o projeto vital é algo que começa tão logo se proponha pensar nele. Os pais devem motivar seu filho, perguntando o que ele enxerga que pode começar a fazer desde já para construí-lo. Um jovem que tenha a defesa do meio ambiente como princípio pode e deve tomar atitudes coerentes, como não jogar papel em via pública, fazer uso racional da água, mobilizar os amigos para limpar uma praça etc.

 

9- Reforçar que momentos desfavoráveis passarão:

É claro que vários aspectos do presente podem atrapalhar a criação de uma visão positiva do futuro, como uma crise familiar seja por dificuldades financeiras, separação dos pais, reprovação escolar ou morte de um parente ou amigo querido. Nestes momentos é preciso mostrar que dificuldades podem ser superadas, e mesmo que alterem o projeto de vida inicial, atrasando algum objetivo de curto prazo, não devem comprometer o projeto vital. O ideal é exemplificar com casos conhecidos de pessoas próximas que passaram por situações complicadas, mas que conseguiram dar a volta por cima e seguir em frente.

 

 

 

Fonte: educar para crescer